Débora Jacintho


A memória é mais complexa do que um simples Obliviate

//Por Pedro Martins - sábado, 22 de julho de 2017 às 15:27


Por sorte os Potterheads temos hoje muito material sobre o qual especular, não é mesmo? Com o lançamento de Animais Fantásticos e Onde Habitam e os conteúdos inéditos do Pottermore, não nos faltam assuntos!

Na coluna de hoje, nossa colunista Débora Jacintho traça um paralelo bastante aprofundado entre substâncias e feitiços que alteram a memória no Mundo Bruxo. Vale a leitura!

Comentários: 0

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Horário Eleitoral Bruxo

//Por Débora Jacintho - domingo, 05 de outubro de 2014 às 17:39


Extra! Extra! Lord Voldemort é o novo Ministro da Magia!

Já parou pra pensar como seria se isso acontecesse? O partido das trevas inteiro em festa! Mas, espere…e se tudo mudasse e o ministério da magia fosse ocupado pelos gêmeos Weasley? Teríamos fogos de artifícios para todos os lados, não?

É nesse contexto de eleição que vivemos nesse 5 de outubro que faço um crossover político na coluna de hoje, abrindo as portas da nossa imaginação para como seria o ambiente eleitoral do mundo bruxo. E você, em quem votaria?

Comentários: 17

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

O lado rosa-chiclete da vida

//Por Débora Jacintho - domingo, 17 de agosto de 2014 às 23:16


Em várias histórias do universo fantasioso é comum encontrarmos divisões de grupos. Por exemplo, na trilogia Divergente existem as facções, na trilogia de Jogos Vorazes existem os distritos, em Game of Thrones encontramos as casas…e por aí vai. Em Harry Potter, nos deparamos com casas que representarão, influenciarão e serão influenciadas por seus alunos em Hogwarts. Sendo assim, da mesma forma que nas outras fantasias (e até mesmo no mundo real) sempre há um grupo taxado de “fraco”, “pobre”, “careta”, em Harry Potter essa função é um tanto ocupada pela Lufa-lufa, quando a maioria da escola os definem como “panacas”.

Na coluna de hoje, convido todos a refletir e desmitificar esse  conceito a respeito dos lufanos, através de uma de suas grandes alunas. Aproveite a leitura e permita-se a um novo olhar!

Comentários: 4

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (3 votos, média: 4,33 de 5)
Loading...

Um Chapéu Seletor em Westeros

//Por Luiz Guilherme - domingo, 22 de junho de 2014 às 20:44


O mundo se rendeu à série televisiva mais aclamada do momento: Game of Thrones. Diferentemente de Harry Potter, que saltou dos livros para o cinema, a série de George R. R. Martin teve sua adaptação da literatura para a televisão, e vem fazendo estrondoso sucesso a cada novo episódio que vai ao ar.

Nossa colunista Débora Jacintho vem confessar que também se rendeu à nova saga. Ela, porém, não esquece Harry Potter jamais, e munida de seus conhecimentos sobre a série foi buscar características dos personagens de Game of Thrones para encaixá-los nas Casas de Hogwarts. E você? Concorda com ela? Não deixe de comentar, afinal – nós sabemos, vai – você também é fã!

ATENÇÃO: o texto a seguir contém algumas revelações sobre o enredo de Game of Thrones.

Por Débora Jacintho

Misturar aspectos de universos de sagas diferentes é sempre interessante. Eu, por exemplo, adoro selecionar mentalmente personagens para as casas de Hogwarts. Então, o Chapéu Seletor viaja a Westeros a partir de agora!

ARYA STARK – GRIFINÓRIA

Arya é a terceira filha de Eddard e Catelyn Stark. Corajosa e valente, não se prende aos costumes e modos de se portar tradicionais de uma dama, prefere andar a cavalo e treinar lutas de espada. Com a fragmentação de sua família, que se iniciou com a morte de seu pai, Arya fugiu e jurou vingança por aqueles que fizeram mal a ela e a sua família. Ela é determinada e não se abate diante das dificuldades – elas a tornam mais forte. Desse modo, diversas características dignas dos grifinórios se manifestam em Arya: “ousadia, sangue-frio e nobreza” a preenchem por inteiro.

CERSEI LANNISTER – SONSERINA

Cersei é a irmã gêmea de Jaime Lannister, com quem tem um relacionamento incestuoso. Ela se mostra uma possível seguidora dos passos de Slytherin ao considerar a pureza do sangue extremamente essencial: todos seus filhos são fruto da relação com seu irmão, e ela mesma afirmou que os Lannister, para manter a pureza da linhagem, costumavam se casar entre si. Assim, apesar de ter se casado com Robert Baratheon, não teve filhos legítimos do rei. Além disso, Cersei vive em busca de poder e faz de tudo para conseguir o que quer, não importando as consequências; utiliza de quaisquer meios para atingir seus fins. Dessa forma, o Chapéu Seletor não teve dúvidas em selecioná-la para a Sonserina.

BRIENNE DE TARTH – LUFA-LUFA

Brienne é uma personagem que respira lealdade. Ela se torna leal a Catelyn Stark e é colocada como guarda de Jaime Lannister na missão de recuperar Sansa e Arya de Porto Real. No caminho, defende habilmente Jaime e procura entendê-lo, além de enxergá-lo como pessoa, muito mais do que como reflexo de suas ações. Brienne procura sempre fazer o que é justo, independente do custo e dos sacrifícios que a missão apresenta. Mesmo após o Casamento Vermelho, ela se dispõe a cumprir a promessa que fez a Catelyn e parte em busca de Sansa. Assim, faz jus de maneira completa às qualidades de um lufano: “seus moradores são justos e leais; pacientes, sinceros, sem medo da dor”.

DAENERYS TARGARYEN – GRIFINÓRIA

O Chapéu Seletor teve bastante dificuldade para selecionar Dany. Daenerys Nascida da Tormenta, por um lado, tem diversas características da casa de Godric Gryffindor, como sua coragem e determinação. É fiel aos seus princípios, confiante e inabalável. Por outro lado, a mãe dos dragões é detentora de uma sabedoria imensa, é cautelosa e estrategista. Não tem pressa, prefere que tudo esteja preparado de forma a enfrentar qualquer situação. Essas talvez seriam características corvinas. Khaleesi, forte como é, determinada e convicta de seus objetivos, provavelmente teria escolhido se o Chapéu lhe desse a opção. Certamente optaria pela Grifinória.

JON SNOW – CORVINAL

Jon Snow é filho bastardo de Ned Stark e serve a Patrulha da Noite. É bastante observador, desde quando ainda morava em Winterfell – mantinha-se um pouco afastado e tirava suas conclusões das pessoas e dos acontecimentos. É estrategista e não se contém em apenas receber ordens. Busca boas soluções para os problemas. Tem a mente sempre alerta e, mesmo em situações alarmantes (como a batalha da Muralha), mantém a calma e pensa em estratégias, apesar do desespero da liderança. Assim, o Chapéu o seleciona para a casa de Rowena Ravenclaw.

OBERYN MARTELL – GRIFINÓRIA

Conhecido como Víbora Vermelha, Oberyn é corajoso e destemido. Vai para Porto Real movido pelo desejo de vingança aos Lannisters, que foram responsáveis pela morte de sua irmã e de seus sobrinhos. Se oferece como Campeão de Tyrion para lutar com Montanha e obter sua vingança. Não tem medo da luta, tem confiança em si e em suas habilidades. Essa ousadia e coragem são marcas da Grifinória, e é pra lá que Oberyn é selecionado.

PETYR BAELISH – SONSERINA

Baelish nasceu em uma casa pequena e insignificante, e passou a maior parte de sua vida tentando ascender e se tornar algo a mais, em busca de poder e status. Ele é inteligente e ambicioso, além de ter o dom de arquitetar intrigas. É capaz de fazer qualquer coisa para almejar seus objetivos. Com certeza, é um “homem de astúcia que usa quaisquer meios para atingir os fins que antes colimou”, assim como são desejados os membros da casa de Salazar Slytherin.

SAMWELL TARLY – LUFA-LUFA

Sam, da Patrulha da Noite, mostra diversos sinais de lealdade, uma das características mais marcantes dos lufanos. Está sempre do lado de seus companheiros, procurando ajudar e dar apoio em qualquer situação. Ele é justo e sincero e não pensou duas vezes em salvar Goiva e seu filho, levando-os (a contragosto dos outros patrulheiros) à Muralha.

TYRION LANNISTER – CORVINAL

Tyrion é inteligente e estrategista. Por sua condição de anão, sempre buscou sabedoria e conhecimento para sobreviver. Lê bastante e usa sua inteligência como arma nas disputas e negociações; sempre tem um plano e procura lidar com as pessoas usando sua alta capacidade intelectual. Assim, podemos perceber aspectos que o tornam verdadeiro membro da casa de Rowena Ravenclaw, o espírito sem limites e a mente sempre alerta.

Débora Jacintho bem que tentou, mas Madame Pince não deixou que ela levasse os cinco volumes d’As Crônicas de Gelo e Fogo para a Torre da Corvinal.

Comentários: 5

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (5 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Luna Lovegood e como a vida pode ser extraordinária

//Por Luiz Guilherme - sábado, 11 de janeiro de 2014 às 00:19


Restam poucas dúvidas de que Luna Lovegood é uma personagem inspiradora. Ela não se importa com a opinião dos outros e vive a própria felicidade, esquecendo-se dos preconceitos e da forma horrorosa como, às vezes, os outros agem para com ela. Luna é um exemplo de que não ligar é, de vez em quando, o melhor caminho.

Na coluna desta semana, excepcionalmente publicada no sábado, Débora Jacintho vai buscar na série alguns dos mais interessantes exemplos de superação de Luna para inspirar você. O mundo será um lugar melhor quando todos nós tivermos um pouquinho mais dessa personagem em nossas personalidades! Leia e registre o seu comentário.

Comentários: 5

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (11 votos, média: 4,64 de 5)
Loading...

Coluna Conjunta de Natal: Um Cartão Especial

//Por Luiz Guilherme - terça-feira, 24 de dezembro de 2013 às 10:31


Mantendo a boa e velha tradição, a equipe de Colunistas do Potterish se reuniu mais uma vez para preparar a coluna conjunta de Natal. Neste ano, nosso objetivo é entregar um cartão de Natal pessoal de cada colunista para um personagem em especial.

Desejamos que você leia a nossa coluna especial, e especialmente, que tenha um lindo dia de Natal, repleto de paz, amor, harmonia e muita felicidade. E desejamos, especialmente, que possamos passar vários outros Natais contando com o prestígio de ter você como nosso leitor! Ho ho ho!

Comentários: 4

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (5 votos, média: 4,60 de 5)
Loading...

Cooperação mágica: as relações diplomáticas no mundo bruxo

//Por Luiz Guilherme - domingo, 24 de novembro de 2013 às 18:13


Quem acompanha um pouco de política sabe bem: as relações entre os países são importantíssimas e influenciam numa série de acordos e decisões que as nações tomam em conjunto.

É claro que, com os bruxos, isso não poderia ser diferente: eles vêm, afinal, de todos os países, e como têm suas próprias leis e sua própria política, precisam se relacionar. Nossa colunista Débora Jacintho traz na coluna de hoje, um ensaio abordando a forma como bruxos oriundos de diferentes nações se relacionam.

Comentários: 5

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (1 votos, média: 3,00 de 5)
Loading...

Coluna conjunta: O que você tem de Corvinal?

//Por Luiz Guilherme - domingo, 12 de maio de 2013 às 21:17


Para finalizar as colunas conjuntas em homenagem às Casas, agora é a vez da Corvinal! A Casa do Prof. Flitwick, Cho Chang e Luna Lovegood é a homenageada da semana do Ish e fecha os textos dos colunistas.

Você com certeza já se imaginou parte de Hogwarts. Mas o que você tem de Corvinal? Os nossos colunistas têm muito. Para saber quanto, basta ler a coluna conjunta!

Comentários: 9

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Coluna conjunta: A magia por trás de um sorriso

//Por Luiz Guilherme - domingo, 12 de maio de 2013 às 21:02


É chegada a vez da Lufa-Lufa! A Casa dos estudantes astutos, inteligentes e que valorizam a amizade foi a terceira homenageada nas redes sociais do Ish, e agora, também o será com uma coluna conjunta especial.

Para ela, a equipe pensou na magia que há por trás dos atributos que caracterizam os estudantes da Lufa-Lufa. Não deixe de ler a coluna conjunta para saber a opinião de cada colunista!

Comentários: 10

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (Nenhum voto até o momento)
Loading...

Coluna conjunta: Sonserina quebrando preconceitos

//Por Luiz Guilherme - sábado, 11 de maio de 2013 às 19:24


Para homenagear a Sonserina, a equipe de Colunas foi a fundo no preconceito que essa Casa tradicionalmente sofre. É admissível pensar, ao se lembrar de personagens como Snape e Slughorn, que todo sonserino é mau?

A equipe de Colunas acredita, afinal, que não. Em sua essência, a Sonserina é tão boa quanto qualquer outra Casa. Quer ler mais sobre isso? Não deixe de ler a coluna conjunta em homenagem à Casa de Slytherin e registre a sua opinião!

Comentários: 10

Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (1 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...