Seção Granger: “A Lógica Inexplicável da Minha Vida”, de Benjamin Alire Sáenz

//Por Kaio Rodrigues - domingo, 24 de setembro de 2017 às 18:45

Na última Seção Granger de setembro, nossa colunista Caroline Calzolari traz a crítica de A Lógica Inexplicável da Minha Vida, de Benjamin Alire Sáenz.

A escrita de Benjamin é rápida e com um ritmo único. Os capítulos curtos e cheios de diálogos fazem com que você não consiga fechar o livro e o devore em poucos dias.

Para ler a crítica na íntegra, acesse a extensão deste post.

“A Lógica Inexplicável da Minha Vida”, de Benjamin Alire Sáenz
Resenha crítica por Caroline Calzolari

A Lógica Inexplicável da Minha Vida conta a história de Salvador, um adolescente criado apenas por seu pai adotivo na cidade de El Paso, no Texas. Quando o conhecemos, o garoto leva uma vida calma, passando quase todo o tempo com sua melhor amiga Sam. Após descobrir que sua avó está doente mil reviravoltas irão mexer com sua vida e com as de todos que ama. A obra lida com temas como a busca por identidade, adoção, luto, preconceito e as mudanças de temperamento na adolescência. Adoraria poder falar mais detalhes da trama mas a verdade é que o melhor é ser pego de surpresa.

Sam e Sal, apesar de se apoiarem todo o tempo, enfrentam problemas muito diferentes. Ela é carente e insegura por dentro enquanto transborda confiança aos outros. O garoto, por outro lado, sempre transmite calma e sensatez mas interiormente enfrenta questionamentos sobre quem é, já que é branco em uma família mexicana e nunca conheceu seus pais biológicos. Os dois se equilibram e trazem à tona o melhor um do outro, colocando nas páginas algo maior do que um romance juvenil perfeito: uma amizade verdadeira.

Não poderia deixar de mencionar quem, para mim, é o melhor personagem do livro: o pai de Salvador, Vicente. Ele carrega muitas das características de Atticus Finch, de O Sol é Para Todos, em si como responsabilidade, honestidade, calma e sabedoria – a propósito, essa analogia é feita todo o tempo ao longo da história. É o modelo paterno ideal. A maior diferença entre os dois vem do fato de Vicente não defender um grupo de pessoas que são hostilizadas como Atticus, mas sim fazer parte de um por ser homossexual e latino. O personagem é um grande contraste com Sylvia, mãe de Sam, que mal consegue manter sua vida em ordem.

A escrita de Benjamin é rápida e com um ritmo único. Os capítulos curtos e cheios de diálogos fazem com que você não consiga fechar o livro e o devore em poucos dias. A trama traz como tema principal a família e é guiada pelos personagens e seus relacionamentos uns com os outros. Por esse motivo, alguns leitores podem julgar a obra monótona quando na verdade sua tensão não vem das ações dos personagens em si, mas sim de suas reações aos problemas enfrentados bem como quanto o leitor consegue se identificar.

O livro não reinventa um gênero literário ou algo assim, mas carrega em si a melhor característica que uma história pode ter: honestidade. Os problemas que aparecem na vida de Salvador e Sam são tratados com delicadeza e sutileza, mesmo carregando peso, exatamente como os problemas da vida real que nos tiram do eixo inesperadamente ao invés de surgirem em momentos chaves e planejados. Se gostou da simplicidade e originalidade de obras como As Vantagens de Ser Invisível, com certeza irá adorar A Lógica Inexplicável da Minha Vida pois ambos bebem da mesma fonte.

Assim como a maioria dos leitores desse site, Harry Potter foi um dos primeiros livros que li. Desde então, boa parte de minha estante pertence ao mundo da fantasia, livros recheados de magia e feitos heróicos. Porém, quando menos esperamos, um livro que nunca pegaríamos em uma estante vem parar em nossas mãos. Um livro cuja história se passa em uma cidade comum com pessoas comuns. E, às vezes, ele é tudo o que precisamos ler naquele momento.

448 páginas, editora Seguinte, publicado em 2017
Título original: The inexplicable logic of my life
Tradução: Flavia Souto Maior

Caroline Calzolari é professora de inglês, tradutora do Potterish e escritora nas horas vagas.

Voltar |
Categorias: Autores, Caroline Calzoari, Seção Granger
Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (Nenhum voto até o momento)
Loading...

Comentários