SEMPRE…

//Por Pedro Martins - segunda-feira, 26 de junho de 2017 às 15:24

Em comemoração aos 20 anos da publicação de Harry Potter e a Pedra Filosofal, Bruno Contesini dá voz aos sentimentos unânimes dos fãs da série.

“Eu gostaria de poder começar meu 26 de junho com palavras, mas acho que tê-lo começado com lágrimas foi realmente a forma mais apropriada.”

Para ler a coluna, acesse a extensão deste post.

SEMPRE…
Por Bruno Contesini

Eu gostaria de poder começar meu 26 de junho com palavras, mas acho que tê-lo começado com lágrimas foi realmente a forma mais apropriada, principalmente por estarmos no ano de 2017, há exatos 20 anos do lançamento da maior série que o mundo já viu.

Eu simplesmente não sei dizer ao certo o quanto Harry Potter mudou minha vida, o quanto ter crescido com o menino que sobreviveu moldou um Bruno essencialmente diferente daquele que teria me tornado se nunca tivesse conhecido Harry.

Em cada lágrima que hoje toma conta do meu rosto estão memórias de momentos absolutamente singulares e inesquecíveis, de todos os minutos de leitura repetida sete vezes para cada livro da série, de cada instante assistindo aos filmes ou imaginando como eles seriam, muito antes de terem sido lançados.

Apenas quem viveu cada um desses detalhes, e muitos outros, entende o real significado do título deste texto. Nenhum de nós é capaz de explicar o que Harry Potter significa, mas é provavelmente por simplesmente sentirmos, sem nenhuma explicação, que tudo foi e sempre será tão mágico.

Convido cada leitor a fechar os olhos por breves instantes e imaginar tudo que Harry nos deu de presente sem pedir nada em troca. Imagine todos os amigos que fez pela série, todos os abraços que deu em pessoas desconhecidas, mas conhecê-las ou não, naquele momento, era o que menos importava, porque sabia, de alguma forma inexplicável, que estavam todos em família.

A essa altura, muitos de vocês já devem ter sido contagiados pelas minhas lágrimas, pois, como eu, aprenderam verdadeiramente a ler e a escrever com a série, apaixonando-se de repente e definitivamente por tais artes.

Neste ponto, então, nos damos conta de que “palavras são nossa inesgotável fonte de magia”, usadas por Rowling para dar tanto sentido à nossa infância, adolescência e vida adulta. Dumbledore realmente tinha razão!

Em todos momentos difíceis que a vida colocou diante de mim, sempre me lembrei de Harry, e foi dele que tirei força para me superar. Foi dele também que tirei inspiração para ter me tornado escritor, plenamente convencido do quanto um livro pode mudar o mundo.

Por tudo isso, Harry Potter é uma série atemporal, com fãs de todas as idades. Por tudo isso, a palavra “sempre” será eternamente aquela que melhor nos define, aquela que um dia todos iremos estar prontos para pronunciar quando nos perguntarem: depois de todo esse tempo?

Por todos esses anos, peguei o Expresso de Hogwarts, assisti aulas de Defesa Contra as Artes das Trevas, Poções, Transfiguração, Herbologia e todas as demais. É o Expresso de Hogwarts que irá conduzir a vida do meu filho, porque Harry Potter nunca sairá daqui, não enquanto formos leais a ele. É claro que isso esteve acontecendo em minha cabeça, mas por que isso significa que não foi real?

Bruno Contesini é mestre em Engenharia Química e professor de Ciências Quânticas. No entanto, sempre lembra da magia de Harry Potter como principal ingrediente de sua essência. Escritor por paixão, tem absoluta certeza de que viverá para sempre a magia que existe em sua mente!

Voltar |
Categorias: Bruno Contesini, Colunas, J. K. Rowling, Livros 1-6
Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Comentários