Seção Granger: “Tudo e Todas as Coisas”, de Nicola Yoon

//Por Pedro Martins - domingo, 01 de maio de 2016 às 19:19

”Tudo e Todas as Coisas” é o romance de estreia da escritora jamaicana Nicola Yoon, publicado pela Editora Novo Conceito no mês passado. Trago nesta Seção Granger a resenha crítica de uma leitura leve e prazerosa.

“Com a boa e poética escrita de Nicole Yoon junto das singulares ilustrações de seu marido David Yoon, revivemos o que é se apaixonar pela primeira vez, mas de uma forma extremamente diferente, na visão daquela que não conhece o mundo, daquela que se encanta com coisas que, para nós, são simples demais para tanto. Madeline é uma personagem que nos ajuda a admirar a beleza da vida.”

Para ler o texto na íntegra, acesse a extensão do post por meio deste link.

”Tudo e Todas as Coias”, de Nicola Yoon
Resenha crítica por Pedro Martins

Em “Tudo e Todas as Coisas”, romance de estreia da escritora jamaicana Nicola Yoon, conhecemos Madeline, uma adolescente de 17 anos portadora de Imunodeficiência Combinada Grave (IDCG), síndrome rara e fatal na qual um simples toque ou até mesmo respirar o ar livre, que (obviamente) não é filtrado, pode deflagrar uma série de doenças no indivíduo. Basicamente, Madeline é alérgica ao mundo, e por isso nunca sai de casa, não tem contato com ninguém além de sua mãe e sua enfermeira, tem uma vida incomum. Até que a família peculiar de um garoto chamado Olly se muda para a casa à frente da sua…

Olly é um garoto intrigante e atraente que está sempre praticando parkour e que, assim como Madeline, também tem conteúdo por dentro e uma veia artística apurada. É paixão (correspondida) à primeira vista. Mas como alguém que não consegue suportar um simples toque pode se apaixonar por outra pessoa?

“Uma pessoa como eu apaixonada seria como um crítico de comida sem papilas gustativas. Seria como um pintor que vê tudo em preto e branco.”

A vida de Madeline vira de cabeça para baixo. Com a boa e poética escrita de Nicole Yoon junto das singulares ilustrações de seu marido David Yoon, revivemos o que é se apaixonar pela primeira vez, mas de uma forma extremamente diferente, na visão daquela que não conhece o mundo, daquela que se encanta com coisas que, para nós, são simples demais para tanto. Madeline é uma personagem que nos ajuda a admirar a beleza da vida.

“O oceano. Ele é maior, mais azul e mais turbulento do que eu imaginava. […] A areia é quente, seca e solta. […] Eu estou no mundo. E, também, o mundo está em mim.”

Por mais que a premissa possa ter semelhanças com a de “A Culpa é das Estrelas”, o livro é bem diferente do de John Green. Ambos são bons, e “Tudo e Todas as Coisas” apresenta uma leitura mais leve e rápida ainda, capaz de tirar qualquer um de uma ressaca literária. À princípio, não há muito o que ser lapidado – tirando o plot twist do final, que destoa bastante da história e pode não parecer crível -, mas é certo que Nicola Yoon tem muito potencial e pode evoluir consideravelmente em suas próximas histórias.

304 páginas, Editora Novo Conceito, publicado em 2016.
Título original: “Everything Everything”.
Tradução: Amanda Orlando.

Pedro Martins é estudante, leitor, Webmaster do Potterish e resenhista crítico do The Guardian.

Voltar |
Categorias: Pedro Martins, Seção Granger
Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Comentários