Conheça Christian

//Por Sheila Vieira - domingo, 24 de junho de 2012 às 19:05

Poucas coisas são mais cruéis do que privar um animal selvagem de sua liberdade. Em 1969, dois australianos se comoveram e compraram um leão numa loja em Londres para tentar colocá-lo de volta ao seu hábitat. Eles conseguiram. Mas a história mais impressionante aconteceu dois anos depois, quando os dois homens foram visitar o leão Christian novamente.

Tema de documentário, livro e hit no YouTube, a história de Christian e seus amigos australianos é inspiradora. Confira com Natallie Alcantara a resenha da obra “Um leão chamado Christian”.


“Um leão chamado Christian”, de Anthony Bourke & John Rendall

Tempo: para ler de um tiro só no fim de semana
Finalidade: para pensar
Restrição: para quem tem pontos de vista alternativos
Princípios ativos: memórias; vida selvagem; África, leões.

Um filhote de leão criado por dois amigos é levado de volta para a África. Seus antigos donos são informados de que depois de um ano o leão não lembraria mais deles. O que eles não sabiam é que Christian não conseguiria esquecer aqueles que lhe devolveram a liberdade. A linda recepção do leão aos seus amigos humanos é registrada em vídeo. Anos depois, a internet populariza o reencontro e não há quem não se comova com a história. Muito mais que isso, não houve quem não pensasse no destino que muitos animais selvagens têm ao serem retirados de seus habitats.

John Rendall e Anthony ‘Ace’ Bourke, dois australianos em férias em Londres, compraram o leão Christian em 1969, na loja de departamentos Harrods. Desde o começo, se mostraram preocupados com o futuro do leão. John e Ace cuidaram de Christian até que ele tivesse um ano de idade. Seu crescimento e o custo para mantê-lo fizeram com que eles percebessem que não poderiam mantê-lo em Londres por muito tempo. A solução veio quando Bill Travers e Virginia McKenna, estrelas do filme Born Free, visitaram a loja de móveis de Rendall e Bourke, onde Christian passava seus dias. Travers e McKenna sugeriram que eles pedissem a ajuda de George Adamson, um conservacionista kenyano. Adamson concordou em ajudá-los na adaptação de Christian para a vida selvagem na Reserva Nacional de Kora.

Adamson gradualmente apresentou Christian a um leão mais velho, Boy, e para a filhote fêmea Katania, na tentativa de formar o núcleo de um novo bando. No entanto, alguns infortúnios assolaram este novo bando: Katania foi, provavelmente, devorada por crocodilos enquanto bebia água e Boy foi morto por Adamson na tentativa de salvar seu ajudante, atacado pelo leão. Duas vidas perdidas e Christian se encontrava sozinho. Adamson continuou seu trabalho, e, após um ano o novo bando de Christian estabeleceu-se na região de Kora, tendo Christian como o líder do bando iniciado por Boy.

Quando Rendall e Bourke foram informados por Adamson disso em 1971, eles viajaram para o Kenya para visitar Christian. A visita foi filmada e transformou-se no documentário Christian, The Lion at World’s End. De acordo com este documentário, Adamson alertou Rendall e Bourke para a possibilidade de Christian não recordar-se deles, mas o filme mostra um leão, inicialmente cauteloso, que corre ao encontro dos dois homens, envolvendo as patas em torno dos seus ombros e lambendo seus rostos. O documentário também mostra as fêmeas Mona e Lisa, e um filhote chamado Supercub saudando os dois homens, devido à influência de Christian. Um encontro final em 1972 também está registrado em imagens no livro. Até o dia em que Adamson, que sempre reportava a vida de Christian a seus pais, não o viu mais.

O livro também mostra algumas opiniões sobre a convivência homem e animal na África, afirmando que eles são inimigos naturais. O livro é uma reedição, o original foi lançado na época em que John e Ace já haviam devolvido Christian ao seu habitat original. O vídeo no youtrube serviu para popularizar novamente a história desse leão, e para fomentar ainda mais as discussões acerca de se ter um animal selvagem como bicho de estimação, sobre o futuro de animais de circo e de colecionadores e até mesmo de animais usados para filmes. A história de Christian e seus dois pais humanos é uma impressionante amostra de como o selvagem se aproxima do coração humano.

Resenhado por Natallie Alcantara

223 páginas, Editora Nova Fronteira, publicado em 2009.
*Título original: A Lion called Christian. Publicado originalmente em 1971.

Voltar |
Categorias: Natallie Alcantara, Não-ficção, Resenhas
Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (Nenhum voto até o momento)
Loading...

Comentários