Lendo Harry Potter, por uma fã

//Por Sheila Vieira - segunda-feira, 05 de dezembro de 2011 às 09:36

Os leitores do Ish souberam do lançamento de “Harry e seus fãs”, uma obra muito interessante de Melissa Anelli que reúne vários pontos de vista sobre Harry Potter. Agora é hora de ler a resenha sobre esse trabalho.

“Os bastidores do fenômeno Harry Potter, contado por quem entende a magia causada pela chegada do bruxinho à vida de centena de milhares de pessoas.” O livro de Melissa é o primeiro livro escrito por uma fã de Harry Potter que é, realmente, uma fã ardorosa. Ela consegue com maestria transmitir suas ansiedades (pelos livros e filmes), a emoção de encontrar e ser reconhecida por Jo Rowling e principalmente seu esforço em colaborar com novidades em um site de fãs. Um livro escrito por uma fã para milhares de fãs de Harry Potter. Leia a resenha de Natallie Chagas e deixe seu comentário!


“Harry e seus fãs: A verdadeira história de um menino-bruxo, seus leitores e os detalhes da vida dentro do fenômeno Harry Potter”, de Melissa Anelli

Tempo: para ler de um tiro só no fim de semana
Finalidade: para ficar na ponta da cadeira
Restrição: para quem não gosta de longas descrições
Princípios ativos: Harry Potter, fãs, Leaky Cauldron, Harry and the Potters.

Na sinopse do livro, está escrito: Os bastidores do fenômeno Harry Potter, contado por quem entende a magia causada pela chegada do bruxinho à vida de centena de milhares de pessoas. Na obra, entre outras façanhas, a autora conseguiu uma longa entrevista com a criadora (J. K. Rowling) do bruxinho em 2005, deixando centenas de jornalistas ao redor do mundo com inveja. O livro traz um caderno de fotos e tem prefácio assinado pela própria J. K. Rowling. A jovem fã Harry Potter descreve o encantamento provocado pelo maior fenômeno literário de todos os tempos, revive grandes momentos e lista informações exclusivas e detalhadas, que aproximam ainda mais o leitor ao personagem.

A sinopse diz tudo. Melissa escreve exatamente o que todo fã gostaria de expressar no papel. Adorei saber mais sobre Harry and the Potters (uma banda de rock inspirada na série), adorei saber o s bastidores de vários eventos criados por fãs e das premiers dos filmes, gostei de saber como o Leaky Cauldron (um site sobre Harry Potter muito famoso) funcionava, amei quando ela relata que teve a incrível sorte de conhecer alguns autores e principalmente fiquei felicíssima (e morrendo de inveja também) quando li sobre ela conhecendo JKR e quando a autora quis conceder a ela as entrevistas que Melissa descreve no livro. Quer dizer, Melissa já havia falado com a agente de Rowling pedindo uma chance de entrevistá-la. E o que ela recebeu de resposta foi, às vésperas do lançamento de Harry Potter e o Enigma do Príncipe, a própria Jo ligando pra ela perguntando se Melissa poderia ir a Edimburgo entrevistá-la. Morri aqui mesmo. Eu praticamente parei nessa parte do livro pra saborear cada instante que ela descreve do encontro com a autora e me imaginei no lugar dela (como eu queria isso).

Uma das coisas que me intrigaram (e quase enlouqueceram, devo dizer) foi o encontro entre Melissa e Laura Mallory. De vez em quando a gente lê por aí que alguém considera determinado livro uma obra satânica. Eu soube dessa mulher faz um tempo. Uma americana que foi pra justiça exigir que os livros de JKR fossem retirados da biblioteca escolar de seu filho porque considerava que as obras estimulavam a prática da bruxaria. Na conversa que Melissa teve com ela, Laura expõe seus motivos e explica o caso. Mas eu ainda assim fiquei meio leza, atordoada e exasperada, até porque durante as explicações ela nunca dava motivos plausíveis. Claro, as pessoas gostam e desgostam do que querem, mas ainda assim. Parecia que uma hora ou outra Laura iria cair em contradição. Pior de tudo: ela nunca leu os livros.

Existem dois trechos desse livro que merecem destaque.

Apesar das várias teorias, uma coisa que sempre me impressionou na série Harry Potter e que eu sempre tive como acima de todas as outras questões dos livros foi essa: a mãe de Harry se sacrificou por ele. Se ela não tivesse feito isso, a história seria totalmente diferente. Essa pra mim é a questão principal do livro, na qual todo o resto se baseia: o sacrifício de uma mãe por um filho. Então preste atenção nesse trecho, parte da conversa entre Laura Mallory e Melissa (pra embasar suas críticas ridículas a série, Laura fez um vídeo que se referia, dentre outras coisas, ao sacrifício de Lilian Potter como um sacrifício a magia da deusa, relacionando ao culto wiccanno, e comparando a euforia dos fãs por um novo livro com o vício das drogas): “O sacrifício da mãe de Harry é retratado nos livros como um instrumento do bem e do poder do amor, e o vídeo do qual Laura Mallory extraiu sua missão é concebido para nos fazer crer que tal sacrifício é mau e errado, porque tira de Jesus o papel patriarcal de Salvador da Humanidade.”

???????????????? O sacrifício de uma mãe por um filho, MAU E ERRADO?????????? De que planeta essa mulher veio? Como ela pode simplesmente pensar numa coisa dessa? Se fosse um homem fazendo isso, não seria MAU E ERRADO??? Depois que ler essa parte, tive que parar, respirar e ler de novo. De tão chocada que eu fiquei. Agora, só de ler pra escrever aqui, fico me tremendo toda de raiva dessa mulher. O que ela falou só serviu pra levantar um questionamento na minha cabeça: será que, por ser MAU E ERRADO, ela deixaria seu filho morrer ao invés de se sacrificar por ele? Senhor, graças a Deus ela não é minha mãe.

O segundo trecho diz respeito ao momento em que Melissa perguntou por quê ela nunca havia lido os livros (nessa hora, você vê que Melissa ainda tinha um fio de esperança de fazer a mulher mudar de idéia, pensando que se ela lesse os livros, ela entenderia o contexto). A resposta de Laura: “Eu disse: ‘Senhor, eu preciso ler esses livros porque as críticas são inacreditáveis, e como posso fazer o que estou fazendo e não ler os livros?’ Ele sempre me respondeu: ‘Não os leia. Não quero que você sofra a influência desses livros. Há uma missão demoníaca nesses livros’, e foi o que Ele sempre me mostrou.”

Quer dizer…???????????????????????? Deus a mandou não ler os livros??? Sério mesmo??? Nessa hora, eu desatei na gargalhada (pior, no meio do shopping).

È uma leitura muito divertida e esclarecedora. Melissa Anelli, muito além de mostrar o fruto de seu trabalho para os fãs, é um exemplo de que sonhos podem ser realizados. Alguém pode dizer que ela teve bons contatos e muita sorte ao conhecer J.K. Rowling e ser convidada pela própria para uma entrevista, mas não é só isso. Ela trabalhou duro e recebeu sua recompensa. Então, que venham mais relatos como o dela. Nós, fãs de Harry Potter, esperamos ansiosos por isso.

Resenhado por Natallie Chagas

368 páginas, Editora Rocco, publicado em 2011.
*Título original: Harry, a history: the true story of a boy wizard, his fans and life inside the Harry Potter phenomenon.

Voltar |
Categorias: Natallie Alcantara, Não-ficção, Resenhas
Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (5 votos, média: 4,60 de 5)
Loading...

Comentários