A vida após a morte

//Por Sheila Vieira - domingo, 25 de julho de 2010 às 12:24

A literatura chamada de auto-ajuda constantemente sofre muitas críticas, por suas fórmulas fáceis. Porém, trata-se de um ramo de sucesso e marca presente nas Resenhas do Ish. Se bem que, de acordo com nosso resenhista Léo Scarpa, o gênero de “A Cabana” não é muito definido. De qualquer forma, a obra de William P. Young fala sobre as mudanças nas vidas das pessoas e como seguir em frente após um trauma. Leia o texto e deixe seu comentário!

“A Cabana”, William P. Young

Tempo: exige muito tempo e dedicação
Finalidade: para ficar na ponta da cadeira
Restrição: para quem tem dificuldades com pontos de vista alternativos
Princípios ativos: Deus, cristianismo, amor, perdão, mudança de vida.

Mais de três anos após sua filha caçula ser seqüestrada e brutalmente assassinada em um acampamento, Mackenzie – Mack para os íntimos – recebe um bilhete em um dia de inverno, marcando um encontro na cabana onde fora encontrado apenas o vestido ensangüentado que Missy usava no dia. O bilhete, assinado pelo modo carinhoso que sua mulher costumava se relacionar com Deus, marcava o encontro no próximo final de semana.

“A Cabana”, livro publicado nos EUA em 2007 no Brasil em 2008 pela Editora Sextante, é por muitos considerado um livro de auto-ajuda e por outros, de ficção ou de mudança de vida. Uma coisa é certa, a obra, que foi publicado por uma editora pequena nos EUA, conquistou fãs de imediato, desde lá está na lista dos “Tops” e já pode ser considerado um Best-Seller.

“…Será que alguma daquelas pessoas era Deus? E se fossem alucinações? Ou será que Deus viria mais tarde? Já que eram três, talvez aquilo fosse uma espécie de Trindade. Mas duas mulheres e um homem? E nenhum deles era branco? Mas por que ele havia presumido que Deus seria branco?…” Esse trecho do livro parece fazer perguntas que povos de todas as épocas e regiões do mundo sempre se fizeram. Perguntas essas que o autor do livro tenta nos esclarecer.

William P. Young autor e personagem do livro, tenta nos ensinar lições de vida através e representando sempre o amor e o perdão do Criador. Alguns produtores de cinema já querem adaptar o livro em filme, mas preferem esperar a venda de mais exemplares para poderem ter a certeza do sucesso do longa metragem.

Um grupo de fãs de A Cabana, está convencido de que a obra de William P. Young merece ser lida pelo maior numero possível de pessoas. Esse é um dos argumentos da criação do “Projeto Missy”, que pede com a colaboração dos leitores a espalharem a obra, para que mais pessoas possam conhecê-la.

Sobre o bilhete que marcou o encontro no final de semana, muitos acreditam que foi resultado dos dias em que Mack ficou inconsciente, outros dão crédito a história dele, mas, a verdade, apenas Mackenzie conhece.

Resenhado por Léo Scarpa

240 páginas, Editora Sextante, primeira edição em 2008.
*Título original: The Shack. Publicado originalmente em 2007.

Voltar |
Categorias: Léo Scarpa, Resenhas
Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (8 votos, média: 4,50 de 5)
Loading...

Comentários