Mais que livros e inteligência

//Por Camila Galvez - terça-feira, 16 de outubro de 2007 às 10:46

Nossa colunista, Pâmela Lima, continua nossa área de Sátiras com uma análise sobre o importante papel de Hermione Granger durante a saga de Harry Potter. Afinal, o que seria do Harry sem a companhia e inteligência de sua amiga-irmã Hermione?

Essa coluna contém spoilers de Harry Potter and the Deathly Hallows, por isso, só leia se você não se importar em saber alguns detalhes da história ou se já leu o livro.

Você pode conferir a coluna completa aqui.

Deixe seu comentário e feedback, é importante para nós e para o autor. Se quiser, sinta-se livre para comentar a coluna em nosso Fórum.

Mais que livros e inteligência

Por Pâmela Lima

Ser adolescente não é fácil. Tudo sempre conspira contra você: as espinhas, os hormônios, os pais e, o pior de tudo, a escola. Então, imagine se você passasse parte do ano longe dos seus pais, fosse uma pessoa muito controlada e respeitada e, ainda por cima, fosse considerada a mais inteligente de sua idade por todos os adultos que você conhece. Hermione Granger é assim: a bruxa mais inteligente do seu tempo. E o que ela diz sobre isso?

“- Eu! Livros! E inteligência! Há coisas mais importantes, amizade e bravura…”.

Sim, a Sabe-Tudo afirma que inteligência não é o mais importante, e acredita nisso firmemente. E, baseado nisso, a análise a seguir não tratará dos momentos em que Hermione se destacou por ser genial, por ser perspicaz, por ser a melhor. E sim dos momentos em que ela mostrou ser mais que isso. Vou separar as principais características da personagem em quatro: determinação, sensibilidade, bravura e amizade.

1. Determinação:

Vamos concordar, não faltou em nenhum momento na Senhorita Certinha. Sempre quis que no final tudo desse certo e lutou por isso até o fim. Foi atrás da pedra filosofal, e não saiu de lá enquanto não soube que Harry poderia seguir sozinho. Passou horas na biblioteca procurando sobre o assassino de “Câmara Secreta”, até descobrir que era um basilisco e deduzir sozinha que ele estava nos encanamentos. Voltou no tempo em “Prisioneiro de Azkaban”, para salvar Sirius e Bicuço. Ajudou Harry a treinar o Accio para o Torneio Tribruxo até o menino aprender. Criou o Fundo de Apoio à Libertação dos Elfos, e trabalhou nele inclusive fora da escola. Lutou até que suas forças se esgotassem na batalha do Ministério. Pesquisou sobre R.A.B., mesmo não entendendo tudo sobre as horcruxes e a missão de Harry. E pôs sua vida em risco, sendo fugitiva procurada em Relíquias da Morte. Tudo isso em nome do bem estar de todos e a felicidade das pessoas que ama.

2. Sensibilidade:

Muita, o tempo todo. Mesmo que escondida por detrás da menina forte que Hermione sempre aparentou ser. Logo no primeiro ano, quando a primeira coisa que fez foi implicar com Harry e Rony, passar o tempo todo dizendo o que eles deviam ou não fazer, ser mandona e impertinente, a menina fraquejou só de ouvir o ruivo a chamar de “pesadelo”. Coisa de criança, sim, mas têm crianças que revidariam com um belo soco na cara. Chorou – e muito – também no enterro de Dumbledore, por perder o seu maior mestre. Mas sua sensibilidade não aparece só em forma de lágrimas: Ela sente raiva com muita facilidade também. No quarto ano ela reagiu ferozmente com um ataque de ciúmes de Rony, e saiu gritando que ele a havia escolhido como último recurso. Mostrou-se, assim, indignada pelo garoto não a ter convidado para o Baile de Inverno. Teve outro dos seus acessos de raiva quando o amigo ruivo voltou para o acampamento em “Relíquias da Morte”, furiosa por ter sido deixada de lado. É também muito carinhosa, gosta de abraçar, como vemos em “Pedra Filosofal”, quando abraça Harry quando ele está prestes a se encontrar com Voldemort; , em “Prisioneiro de Azkaban”, quando abraça Rony por esse oferecer ajuda com o caso do Bicuço; em “Ordem da Fênix”, quando o Menino-Que-Sobreviveu chegou à sede da Ordem; e em “Relíquias da Morte”, todo o tempo, pois aqui o medo de perder as pessoas que amava era maior. É também muito ciumenta como é mostrado em “Enigma do Príncipe”, quando ela pára de falar com Rony, pois este namora Lilá.

3. Bravura:

E o Chapéu Seletor estava certo novamente. Hermione Granger demonstra coragem em todos os momentos, de todos os livros. Precisou de coragem para ajudar Harry quando ele precisou, tanto em “Pedra” quanto em “Relíquias”, quando estavam em guerra. Mas as vitórias contra seus medos pessoais são bem mais significantes. Ela enfrentou seu medo de altura em Prisioneiro de Azkaban, quando voou nas costas de um hipogrifo, e no mesmo livro bateu em Draco Malfoy, aquele que a ofendeu por tanto tempo, para defender um amigo. Em “Ordem da Fênix” incita Harry a criar a Armada de Dumbledore, dizendo estar meio rebelde. Em “Relíquias da Morte” ela dá respostas petulantes ao próprio Ministro da Magia, e arma planos para invadir o ministério. Hermione não foge das lutas por estar com medo ou receio de que vá dar errado.

4. Amizade:

O último e mais evidente item dessa lista foi considerado pela própria Hermione, ao lado de bravura, como uma qualidade importante – e nós sabemos que é. Ela é sim uma pessoa amiga, e se entrou em batalhas, lutas, brigas, discussões e encrencas, não teve outro motivo a não ser o amor que nutre por seus amigos. Ajudou Harry em sua relação com Cho Chang, ensinando-o como tratar as meninas, e depois o apoiou no namoro com Gina. Namoro que provavelmente ela já previa, pois ela e Gina sempre foram muito amigas. Ignorou as loucuras de Luna até onde pode para estar do lado dela como amiga e conseguiu, como vemos no último livro, pelo fato de Luna ter uma foto de Hermione (e seus outros amigos) no teto de seu quarto. Encorajou as pessoas que amava e as pessoas em quem acreditava sempre. Chegou, algumas vezes, a ser igualada a uma mãe ou irmã, pois é superprotetora, não querendo que as pessoas próximas sofram, morram ou, pior, sejam expulsos da escola.

Em suma, Hermione não é só o que o estereotipo diz sobre ela. Se tirarmos os livros e a inteligência ainda restará alguém maravilhoso, cheio de amor e compreensão, disposto a tudo que puder fazer por aqueles que ama. No final da saga, Hermione está casada com Ron (aquelas brigas não eram tão sérias, afinal), tem dois filhos que ama e… Briga com o marido quando esse incita a discórdia entre sua filha Rose e o filho de Draco Malfoy. Certas manias nunca mudam, não é? E Hermione continua mandona, durona, metida a Sabe-Tudo. Uma ótima pessoa.

Pâmela Lima é estudante.

Voltar |
Categorias: Colunas, Livro 7, Pâmela Lima
Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (19 votos, média: 4,58 de 5)
Loading...

Comentários