JK Rowling comenta sobre personagens secundários

//Por Roberto Uebel - sexta-feira, 26 de outubro de 2007 às 19:06

Durante a sua Open Book Tour pelos Estados Unidos e Canadá, a autora J. K. Rowling comentou sobre diversos temas relacionados à série Harry Potter, dentre eles a homossexualidade de Dumbledore, a paixão pelos seus personagens e o seu “casamento” com Harry. Mas também falou sobre seus personagens secundários.
Esqueça Sirius Black e Alvo Dumbledore, bravos e poderosos bruxos que sucumbiram na missão de derrotar Lord Voldemort. Para muitos fãs, nenhuma morte na série causou mais soluços do que a de certo personagem no último livro.

Depois do descanso, descobrimos o que a autora J. K. Rowling tem a dizer sobre a morte trágica. Jo foi ovacionada de pé, em Nova Orleans, Estados Unidos, antes de realizar uma leitura do terceiro capítulo do sétimo livro diante de uma platéia de 1600 estudantes. Posteriormente respondeu 12 perguntas desde sobre sua vida pessoal e os livros, até sobre política.

Confira em notícia completa mais informações sobre as revelações realizadas sobre os personagens e uma pequena transcrição dessa leitura.

Este artigo contém spoilers!
Se mesmo assim deseja lê-lo integralmente, clique em Notícia Completa.
Para mais informações ou dúvidas, consulte nossa Política Anti-Spoilers.

J.K. ROWLING
JK Rowling fala sobre Cho, Luna e Snape

Harry Latino – El Crónista de Salém
19 de outubro de 2007
Tradução: Virág Venekey

JK Rowling foi ovacionada de pé, em Nova Orleans, Estados Unidos, antes de realizar uma leitura do terceiro capítulo do sétimo livro diante de uma platéia de 1600 estudantes. Posteriormente respondeu 12 perguntas desde sobre sua vida pessoal e os livros, até sobre política. Imaginem o evento.

Esta notícia contem possíveis informações reveladoras de “Harry Potter e as Relíquias da Morte”. Pode continuar lendo ou ignore esta notícia se não quer conhecer detalhes.

Durante a leitura, a escritora imitou as vozes dos personagens de Tia Petúnia e Dédalo Diggle, o que resultou em várias gargalhadas no auditório.

Concluída a leitura, respondeu perguntas selecionadas previamente dos estudantes de escolas públicas ali presentes, entre as quais tinham várias a respeito do futuro de seus personagens. Assim soubemos que Luna Lovegood se transformou numa grande naturalista, “embora eu não saiba se ela encontrou alguma vez um Snorkack de Asta Arrugada”. E acrescentou que “Cho se casou com um trouxa”.

Rowling falou de Severo Snape enquanto aconselhava sobre a escrita para estudantes de notas baixas. “Se vocês tivessem visto minhas notas de química! Por isso Snape ensina poções”. Para o qual a audiência gritou. “Não diga, Awwwww! Ele merecia! Todos podem pensar em professores dos quais gostaríamos de nos vingar”, explicou ela.

Entre as perguntas tinham algumas relacionadas à sua infância, os livros que a inspiraram (doente aos 4 anos, ela leu “El viento em los sauces”, de Kenneth Grahame) e política.

“Eu queria mostrar de uma forma consciente quais são os piores males da guerra, como o assassinato de gente inocente”, comentou Rowling. “Outro grande mal da guerra é que as crianças perdem suas famílias”.

Ela também ressaltou a importância da leitura. “Se não podem ler, o que mais lhes resta? Ler ajuda em tudo. Tem que ler”.

Diante da pergunta de se ela acredita que o bem sempre triunfa sobre o mal, referindo-se à batalha de Harry Potter contra Lorde Voldemort, ela respondeu “Depende do que você se refere em ‘triunfar’”. “A gente está preparada para continuar batalhando… é impressionante como pequenos atos de bondade ajudam, simplesmente vivendo com moral, tratando os outros com amor”.

“O que você aprendeu com a experiência de escrever livros?” perguntou Emily Chen, da Escola Lusher Charter. “Poderíamos falar por três horas. Foram 17 anos da minha vida. Tive três filhos furante o período da escrita”, respondeu ela.

Num momento, um menino da audiência gritou “Te amo”, ao qual a autora agradeceu.

Como parte do evento, a Scholastic doou 10000 cópias de “Harry Potter e a Pedra Filosofal” aos estudantes da escola pública de Orleans Parish, junto com um kit completo dos sete livros da série para cada biblioteca pública e escolar de Nova Orleans.

J.K. ROWLING
J.K. Rowling se responsabiliza inteiramente pela morte heróica de personagem

Movies Blog MTV – Shawn Adler
22 de outubro de 2007
Tradução: Nathalia Machado

Esqueça Sirius Black, Alvo Dumbledore, Remo Lupin, até mesmo Fred Weasley – bravos e poderosos bruxos que sucumbiram na missão de derrotar Lorde Voldemort. Para muitos fãs, nenhuma morte na série causou mais soluços do que a de certo personagem no último livro.

Depois do descanso, descobrimos o que a autora J.K. Rowling tem a dizer sobre a morte trágica.

Como nós comentamos, talvez nenhuma morte até agora tenha desapontado tanto os fãs como a de Dobby, o Elfo Doméstico, que foi morto com uma facada no peito enquanto resgatava um grupo de prisioneiros da Mansão Malfoy, e cujas últimas palavras foram “Dobby não tem mestre! Dobby é um elfo livre” e então “Harry… Potter…”.

Desculpe-nos, nós precisamos de um momento. (Enxugando lágrimas)

Voltando, Rowling sente nossa dor. “Me desculpem”, ela disse a um grupo de 1.600 alunos durante um recente evento P&R. “Eu me responsabilizo (por Dobby)”.

Introduzido no segundo livro, “A Câmara Secreta”, Dobby sempre foi candidato à morte, Rowling diz, insistindo que, sua morte serviu com uma função muito específica na narrativa.

“Eu imagino que você poderia dizer muito trivialmente que Dobby teve que morrer para que ele não pudesse contar a Harry quem o havia enviado.” Rowling explica, fazendo menção a Aberforth Dumbledore, irmão de Alvo, de quem Harry nunca tinha ouvido falar até mais tarde no livro. “Mas esta não é a resposta. Para mim a morte de Dobby despertou Harry para o que ele estava fazendo.”

Na verdade, a morte de Dobby veio num momento crucial do livro 7, quando Harry deveria decidir se continuaria procurando as horcruxes de Voldemort ou se abandonaria a busca e procuraria pelas lendárias “Relíquias da Morte”. A morte de Dobby “focou (Harry)” em sua escolha, Rowling insistiu.

“(Dobby foi) alguém que era muito vulnerável e inteiramente inocente em qualquer coisa relacionada ao mundo bruxo – ele não era nem um bruxo”, Rowling disse. “Foi outro assassinato insensato, da mesma maneira que foi a morte de Cedrico Diggory, simplesmente porque ele estava lá. E eu penso que há algo particularmente desanimador sobre toda a inocência das vítimas dessas brutalidades.”

“Isso acordou Harry”, ela repete. Tem sido difícil argumentar. Do momento em que Harry enterra Dobby (“Aqui jaz Dobby, um elfo livre”) até o fim da história, ele estava empenhado em ações quase ininterruptas, com toda ação concentrada em destruir as horcruxes.

Talvez agora os produtores também vão despertar. Dobby não apareceu em “A Ordem da Fênix”. Embora seu papel na história seja relativamente pequeno, ainda não sabemos se ele irá aparecer em “Enigma do Príncipe” também.

A morte de Dobby te afetou tanto quanto afetou a mim? Havia outro personagem cuja morte te chocou mais? Acho que não.

Voltar |
Categorias: Entrevistas, Eventos, JK Rowling, Livro 7, Livros
Nota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 (9 votos, média: 4,56 de 5)
Loading...

Comentários